domingo, 27 de abril de 2014

Volto a escrever. Este é o meu espaço e por isso não tenho de ter medo do que possas pensar ao ler. As coisas mudam à velocidade da luz e eu fico estática à espera que tudo volte para trás. Tem dias em que as imagens passam pela cabeça como se fosse a primeira vez em que eu e tu estivéssemos a viver aquele momento. Eu rio da mesma forma, no mesmo segundo de tempo e com igual intensidade àquele dia. Não consigo controlar a memória e ela, infelizmente, não se esquece das boas recordações. Pertenceste a mim. Sim, uso o passado com vontade de escrever no presente e futuro. Mas a verdade é essa, "pertenceste". Guardo-te num cantinho pequeno e de vez em quando voltas a mim, como hoje. Não sei se se trata de amor, mas a verdade é que posso dizer que te amo. Que foste tudo para mim numa certa altura, que estiveste comigo sempre e me protegias. Posso dizer que tinha a certeza que eras a última pessoa a largar-me, e foste das primeiras. Posso dizer-te que numa hora destruíste os anos de felicidade em mim. Posso chamar-te desilusão, mas acho que te estaria a dar demasiada importância. Chamo-te antes de ilusão. 

2 comentários:

Kiara disse...

r: eu, sinceramente, não conheço muito de Da Weasel... aliás, acho que esta deve ser a única que conheço sem ser do grupo das mais conhecidas xb

Anónimo disse...

"Não consigo controlar a memória e ela, infelizmente, não se esquece das boas recordações."