domingo, 12 de outubro de 2014

Dei por mim distraída a pensar em ti. Isto começou num bocadinho de sentimento, talvez confuso, de uma adolescente sensível. De pequenino se tornou grande e agora transborda de tão gigante que é. Eu sei que é a ti que eu quero pertencer por muito tempo mesmo. Arrisco-me a dizer "para sempre". É de ti que sinto falta quando me deito na minha cama fria. É das nossas noites que sinto saudade. Do deitar no teu peito quente e abraçar-te. De durante a noite darmos as mãos, no meio do sono. De acordar e ter o beijo de bom dia. De te ouvir dizer que comigo dormes melhor. De sermos os mais maduros e loucos neste namoro. De termos tudo e de sermos diferentes dos outros. É a ti que eu amo! São estes 4 anos que ainda me fazem suspirar por nós. Ainda tenho aqueles arrepios que às vezes sentia no início. Não desaparece a vontade de estar contigo e de te abraçar com força. Não vai embora os olhares cúmplices de malandrice. Este sentimento não foge de mim porque eu prendo-o. Prendo neste coração pequenino e apertado de carinho por ti. Este que te pertence. Que é meu e eu partilho contigo! Toma conta dele. Ele adora-te! E eu? Eu amo-te!

1 comentário:

Mariana disse...

Quero-te dizer-te só uma coisa: escreves tão bem sobre o amor.
Somos tão parecidas.

Um beijinho, Mariana