domingo, 14 de junho de 2015

Interrogo-me se é assim que é suposto ser. Essa palavra a que chamamos amor. Ternura. Carinho. Amor. Faz sofrer, enaltecer, e sofrer de novo. Quantas vezes o sofrimento esteve na zona que deveria ser só amor? Diz-me, por favor se vale a pena. Preciso que me ajudes. Amar para mim não é sofrer. Amar é fazer com que uma hora passe num minuto e com que esses sessenta segundos se resumam a alegria. Risos, não sorrisos. Sorrir sempre foi minha característica, mas só tu conseguiste por-me a rir. E agora deixas a meio o caminho que fizeste até aqui. Deixas que fique sem companheiro de viagem só porque sim. Amar faz sofrer. Faz-nos amar mais os braços que nos envolvem do que a nós próprios. Não deveria ser assim. É injusto sofrer pelo sentimento mais bonito do mundo. Aquele que nos preenche com tamanha força que nos faz ser parvos, protegidos e ao mesmo tempo, indefesos. É assim que estou, desprotegida da mesma forma que quando me encontraste. A precisar de carícias, carinho. Amor. 

3 comentários:

Kiara disse...

Isto é tão, mas tão eu! :s
r: Exatamente! Toda a gente sabe que nas privadas há certos facilitismos que nas publicas não encontramos...

Cláudia S. Reis disse...

Que o amor te envolva e que nunca mais te deixe sofrer.

Mafs disse...

Como eu te percebo :(