domingo, 28 de junho de 2015

Queria estar no teu abraço a ouvir o barulho das ondas a bater nos penedos fortes que se erguem lá ao fundo. E sentir o aconchego do teu raro mimo. Trouxeste-o ontem à noite, no meu sonho. E eu acordei com saudades dele, desses braços que me envolvem e tornam pequenino o meu mundo guardado no teu. Sinto a tua falta. Sinto muito. Quero voltar a ter o quentinho do teu peito para chorar das injustiças desta vida má. É raiva que sinto. Pelos sacrifícios em vão, pelas horas de esforço que se esvaíram em apenas nada. Nada. Sei que tinhas as palavras certas para mim e o movimento dos teus braços abertos para mim. Era só disso que eu precisava, os teus braços e a tua voz a dizer que vou conseguir. Achas que vou mesmo? Fica aqui comigo, só mais dez minutos, eu preciso. Quero carinho, um pouco de mimo que trate desta tristeza que voltou. Desta raiva que se transforma em lágrimas. Fica. Comigo. 

2 comentários:

P' disse...

Ás vezes fazemos esforços que não vemos recompensados na hora mas sim mais tarde. Não desistas, persiste e acredita que os que fazes um dia vão mesmo dar frutos: água mole me pedra dura tanto bate até que fura ;) resiliência querida e espero que em breve ele esteja ao teu lado para de consolar e te incentivar como precisas :)

Cláudia S. Reis disse...

Que ele venha. E fique. Contigo!